quinta-feira, 11 de setembro de 2008

FOCO 25 : REPÚBLICA DOS PAMPAS, DO BRASIL !

Este mapa, produzido pelo movimento pelo movimento pela independência da República Rio-Grandense !

O mapa acima, divulgado pelo endereço do movimento pela independência do Rio grande do Sul, em relação ao Brasil !

República do Pampa, República dos Pampas ou, como é mais conhecido, Movimento pela Independência do Pampa é um movimento separatista, não organizado e pacífico[carece de fontes], com o objetivo de autodeterminação do Rio Grande do Sul. Foi iniciado pelo cidadão gaúcho Irton Marx, no começo da década de 1990. Na época, a Polícia Federal brasileira apreendeu todo o material publicitário relacionado ao movimento.



O movimento
Esse movimento e seu primeiro protagonista, Irton Marx, têm sido associados ao fascismo e ao nazismo. Devido à proposta de preestabelecer idiomas oficiais, entre os quais, além do português, estariam o alemão e o italiano[carece de fontes].
Segundo o Instituto Stephen Roth, da
Universidade de Tel Aviv, a bandeira original do movimento reproduziria os símbolos do Terceiro Reich junto com a imagem do Cruzeiro do Sul. Em relatório deste instituto também consta que no livro escrito pelo fundador do movimento, intitulado "Vai Nascer um Novo País: a República do Pampa Gaúcho", têm-se a descrição da criação de uma nação ao Sul do Brasil sem negros e judeus.

Legalidade
A proposta do movimento de separar o Sul é inconstitucional, pois fere ao primeiro artigo da
Constituição Brasileira, no qual está explícito que a República Federativa do Brasil é formada por uma união indissolúvel dos Estados, considerada cláusula pétrea.
A proposta dos separatistas é a realização de um
plebiscito, para decidir se o sul deveria realmente ter sua independência reconhecida[carece de fontes].

Precedentes e motivos
A idéia de se formar um estado independente no sul do país vem da época em que houve a Revolução Farroupilha, quando se formaram as repúblicas Rio-Grandense e Juliana (em Santa Catarina), as quais nunca alcançaram emancipação legítima de fato. É importante ressaltar que os motivos que inspiraram a Revolução Farroupilha não foram os mesmos que inspiram o movimento da República dos Pampas.
O movimento da República dos Pampas , se deve às diferenças, ou uma percepção coletiva das mesmas nos aspectos
étnicas, culturais e econômicas da região sul em relação ao resto do Brasil.


QUEM SÃO OS DESEJOSOS DE SE SEPARAREM RELAÇÃO AO BRASIL ?
O MOVIMENTO PELA INDEPENDÊNCIA DO PAMPA
Foi fundado em Fevereiro de 1990, mas já atuava de fato desde meados da década de 1980. É o Movimento Separatista Gaúcho com reconhecimento internacional e citado em estudo separatista do exército dos Estados Unidos, entre outros.
O áuge das atividades do Movimento ocorreu em 1993, quando haviam centenas de Comissões Separatistas Municipais em todo o Rio Grande do Sul. Um abaixo-assinado estava sendo elaborado e já contava com mais de um milhão de assinaturas de eleitores gaúchos quando foi roubado pela polícia brasileira.
A partir de 1993 o Movimento Pampa passou a sofrer perseguição por parte do mega sistema que controla o Brasil (políticos corruptos, governos de alguns países estrangeiros, notadamente os Estados Unidos, jornalistas corruptos encabeçados pela Rede Globo de Televisão, etc.). Apesar de se tornar vítima do ódio brasileiro, o Movimento sobreviveu e continua atuando, de forma pacífica, pela restauração da independência da República Rio-Grandense.


PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O TEMA !

Quem foi e qual é a participação do Sr. Irton Marx no Movimento Pampa?

Considerado polêmico por muitos, Irton Marx é o autor do livro "Vai Nascer Um Novo País: República do Pampa Gaúcho".

Em 1993 foi usado pela Rede Globo de Televisão como bode-espiatório nos ataques contra o Movimento Separatista Gaúcho. Acusado de racismo, foi considerado inocente em todos os processos movidos pelo aparato estatal brasileiro enquanto seus acusadores foram condenados a pagar indenizações pelas calúnias e danos morais causados.
No ano de 1997, por iniciativa própria, Irton Marx afastou-se definitivamente do Movimento pela Independência do Pampa.

O novo país será formado só pelo Rio Grande do Sul ou também por Santa Catarina e Paraná?

Não se trata de criar um novo país, mas da restauração de fato da independência da República Rio-Grandense, cuja proclamação foi efetuada em 11 de Setembro de 1836, que possui território claramente delimitado, Constituição e reconhecimento internacional.
O Movimento Pampa apóia e incentiva que todos os povos lutem para libertarem-se da tirania estrangeira e colonialismo, seguindo o caminho da autodeterminação.

Mas pensei que o Movimento Pampa também incluísse Santa Catarina (SC) e Paraná (PR). Porquê estes dois Estados não fazem parte do Movimento? Os gaúchos se consideram distantes ou melhores que Catarinenses e Paranaenses?

Embora oficializado apenas em 1990, o Movimento Pampa surgiu no início da década de 1980 defendendo a restauração da independência gaúcha sob o lema "Pampa, Meu País". Alguns anos após a causa da autodeterminação se disseminou para Santa Catarina e Paraná e apareceram manifestações no sentido de ampliar o Movimento incluindo também estes dois Estados. Esta vertente de pensamento paranaense e catarinense se organizou em torno do lema "O Sul é o Meu País".
Em 1993 a banda podre da maçonaria catarinense, financiada pelo governo brasileiro, passou a controlar "O Sul é o Meu País" catarinense com o objetivo de dividir e "afundar" a causa separatista. Na época, em 1993, "O Sul é o Meu País" do Paraná era um movimento distinto daquele de Santa Catarina, embora partilhassem o mesmo nome. A partir de então houve o afastamento do Movimento Pampa da vertente de pensamento que defendia a inclusão de Santa Catarina e Paraná. A mesma banda podre maçônica continua no controle d'O Sul é o Meu País catarinense até nossos dias (2007).
Este distanciamento não ocorre por bairrismo ou questões psico-emocionais subjetivas, o fator preponderante é muito mais simples: os gaúchos não possuem qualquer legitimidade, seja histórica, moral ou outra, para defender que Catarinenses e Paranaenses tornem-se independentes, isso tem que ser efetuado e organizado pelos habitantes destes Estados, de forma sadia e livre da influência de indivíduos interessados unicamente em encher suas burras de dinheiro. Portanto, a questão da legitimidade é o motivo pelo qual o Movimento Pampa limita a sua atuação ao território original da República Rio-Grandense, hoje chamado de Rio Grande do Sul.

Qual será o Hino do país?

Continuará sendo o originalmente concebido, ou seja, o Hino da República Rio-Grandense, também conhecido como Hino do Rio Grande do Sul.
O Hino Rio-Grandense é popular e cantado em inumeras ocasiões, inclusive antes dos jogos de futebol.

HINO RIO-GRANDENSE
Letra de Francisco Pinto da Fontoura
Música de Joaquim José de Mendanha

Como a aurora, precursora
Do farol da divindade
Foi o Vinte de Setembro
O precursor da liberdade
Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda a Terra
Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo
Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda a Terra

O Movimento pela Independência do Pampa é nazista ou fascista?

As insinuações ou afirmações de que o Movimento Pampa seria nazista não estão embasadas nos fatos ou na realidade, mas é produto de informações falsas divulgadas pelo governo brasileiro e pelos órgãos jornalísticos corruptos pré-pagos daquele país, encabeçados pela Rede Globo, com o objetivo de "demonizar" o Movimento Pampa.
Não é nazista, nem fascista, nem comunista, nem... nem defendemos qualquer tipo de ideologia enlatada ou importada; o Movimento Pampa não tem outros vínculos que não com a liberdade e cultura da nossa gente.
Outra razão para as calúnias e tentativas de desqualificação contra o Movimento Pampa é a total falta de argumentos racionais contra a restauração da independência Gaúcha.

A língua do país será o Alemão?

Em 1993 a Rede Globo de Televisão fez uma extensa reportagem deformadora e difamadora contra o Movimento Pampa. Dentre as muitas mentiras veiculadas estava a informação de que a língua do país seria o alemão.
A língua da República Rio-Grandense é e continuará sendo o português.

O que acontecerá com os não-gaúchos que vivem no Rio Grande? Terão seus bens confiscados e serão expulsos?




Os não-gaúchos residentes estavelmente na República Rio-Grandense continuarão vivendo em nosso território, da mesma forma que o fazem hoje. Nunca houveram nem haverão planos para qualquer tipo de expropriação.

O Movimento Pampa defende a luta armada como forma de restaurar a independência?

O Movimento busca a restauração da independência de forma pacífica e plebicitária, de acordo com os princípios da ONU.
Mas se houver um plebiscito os brasileiros são muito mais numerosos e votarão contra!
Conforme as regras consagradas internacionalmente, no plebiscito votarão apenas os eleitores registrados no Rio Grande do Sul.

O Movimento Pampa é contra os estados do Nordeste?

"Vamos arrumar um inimigo para lutar contra o nosso inimigo", é a velha máxima dos covardes. O governo brasileiro, através do seu aparato estatal e seus jornalistas pré-pagos, divulgou e divulga com insistência que o Movimento Separatista Gaúcho é contra os Nordestinos, com o único objetivo de criar atritos e desavenças.
O Movimento Pampa não é contra ninguém, nem nunca foi; muito pelo contrário, é a favor de que todos possam desfrutar da preciosa liberdade, inclusive o povo Nordestino e de outras regiões do Brasil, que são igualmente oprimidos e explorados pelo regime escravocrata e colonialista de Brasília.
Nos Estados Nordestinos, bem como Santa Catarina, Paraná e São Paulo, dentre outros, já existem Movimentos que também defendem a liberdade para seus respectivos povos, que são integralmente apoiados pelo Movimento Pampa.

A República Rio-Grandense não é autosuficiente em petróleo nem em outros produtos, como isso será superado?

Não se pode confundir autonomia política com isolamento comercial, nem se pode esquecer que nenhum país no mundo é auto-suficiente em todos os bens e matérias-primas que necessita.
A República Rio-Grandense fará o que todos os países fazem, que é adquirir no mercado internacional os bens que precisa e não produz. Atualmente existe grande abundância de todos os tipos possíveis e imagináveis de produtos que podem ser facilmente adquiridos. Podemos importar inclusive do Brasil, com o grande diferencial que, sendo uma operação de exportação (para os brasileiros) estará isenta dos escorchantes impostos e taxas lá praticados, ou seja, o preço a ser pago pelos produtos será inferior ao que é atualmente.

Porquê vocês querem se isolar numa época em que há a queda das fronteiras e a globalização?

Não buscamos o isolamento político, mas sim a autonomia política, que são objetivos claramente distintos. O fenômeno político que tem sido verificado nas últimas décadas é justamente o da busca da autodeterminação e liberdade. Há 50 anos atrás não haviam mais que 60 países; em 2007 já são mais de 200. A República Rio-Grandense voltará a ocupar de fato o seu lugar de direito na Comunidade das Nações.

18 comentários:

Anônimo disse...

uma assunto bem abordado pelo professor...
em que ele fala muito em sala de aulaaa.....
aisiausiausiausa
;D

Prof EU disse...

Acredito que esse movimento, com todo respeito aos seus idealizadores, deveria ser não pela independencia, mas por melhorias nas condições de vida de nosso povo, que independente de ser da cor qualquer, deve ser respeitado como um todo. Somos uma mistura, e isso deve ficar como nossa marca no mundo globalizado.

Anônimo disse...

Esse movimento e seu primeiro protagonistatêm sido associados ao fascismo e ao nazismo. Devido à proposta de preestabelecer idiomas oficiais, entre os quais, além do português. Sou a favor !!!

Pedro Henrique disse...

A proposta de separaçao do Rio Grande do Sul e de certa forma ilegal, pois fere ao primeiro artigo da Constituição Brasileira, no qual está explícito que a República Federativa do Brasil é formada por uma união indissolúvel. E tambem o Brasil nao comportaria um movimento separatista ou uma fragmentaçao

amanda disse...

mesmo nao buscando o isolamento politico , mas, sim autonomia politica, a "Republica Rio-Grandense" é um fenomeno separatista, que não é bom para o Brasil, logo, sou contra pois acho que eles se separando o brasil perderia sua identidade cultural.

beatriz disse...

Não é bem assim, devmos lutar pela nossa nacionalidade..
somos todos iguais independênte de cada raça...
so pq ums são negros e outros brancos devemos nos separarmos??
ue acho isso muito ridiculoooo..
:)

Carolina disse...

O movimento separista no sul do Brasil representa a imaturidade de certo grupo regional quanto ao sentido dos movimentos separistas que ao contrário deste,levam em consideração disparidades etnicas ou religiosas de guande expressão e não,mero preconceito as demais regioes do país.A alusão do movimento a Revolução Farroupilha exemplifica o carater arcaico do movimento, esquecendo-se que a história não volta para tras.

Carolina.

Leonardo Baptista disse...

O Brasil não está preparado para uma possivel separação do Rio Grande do Sul;caso aconteça,metrópoles,como,São Paulo também irão aderir a idéia.O separatismo no Brasil não seria um negócio interessante devido a falta de estabilidade do país, que possui uma grande quantidade de pessoas que passam fome,e com a separação dos estados mais ricos do Brasil,o que "sobrar" passaria por uma necessidade muito maior.

Anônimo disse...

Incrível como os comentadores não apresentam qualquer argumento minimamente racional contra a independência dos gaúchos. Apelam para sentimentalismos ultrapassados, pregam a unidade e o respeito, mas são os primeiros a promover e apoiar a campanha de extermínio étnico-cultural que o Brasil move contra o Rio Grande.

cleberson pereira disse...

ola irmaos do sul,sou gaucho nao do rio grande,mas do sul ou seja, paranaense sou de londrina lembro-me do movimento em 1993 onde meu pai se encontrou em algumas situacões dificeis apenas por defender a ideia,sem ao mesmo participar do movimento.Tenho uma ideia mas um bocado diferenciada da independencia do sul.A meu ver poderiamos criar nao um só pais de tres estados mas sim um grupo de tres estados independentes seguindo com nossas proprias ideias e sonhos,tres estados soberanos justo e humanos com os naturais e com os estranjeiros ou seja de outros estados assim provando aos restantes que nossa ideia nao é de formarmos um sul de appartheid e sim uma terra justa e de oportunidades imensas o que o brtasil nao oferece aos seus filhos e sim aos outros.quando de veria estar a oferecer boas condiçoes aos filhos e tambem igual aos estranjeiros mas e o contrario. Nao acho nenhuma verdade que fariamos um sul de idiomas nordicos.Defenderia sim a obrigatoriedade do guarani oficial e portugues como segunda lingua oficial.pois no paises que sao ex colonias mantiveram seus disaletos e linguas sendo assim pode-se mudar quando desejarem para sua propria lingua deixando assim a cplp,pois só trazem maus negocios ao pais esses mafiosos que tanto enganaram nosso pais, e tanto maltrratam nossos irmaos que vivem por la mas essa é outra historia .bom acho que por ja é tudo espero boas noticias vossas obrigado

deisi disse...

Sou paranaense, o Brasil é um país muito grande, cheio de riquezas e que arrecada muitos impostos, que muitas vezes se "perde" no meio desse imenso caminho. Então, porque não seguirmos as tendências de outos paises:se divedirem em paises menores.O Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina constituiram uma grande nação.

Anônimo disse...

os pampas sao historicos,em 1825 ja previa a independencia das tres provincias do sul(pr,sc,e rs),junto com a cisplatina.porem documentos de epoca sumirao como outros da ditadura e império!o povo deve mastigar melhor a informaçao sendo vinda do governo e.de estatais!a republica bandeirante de sao paulo ainda esta na ativa desde 1812!nao existe desculpas para nao concedre a independencia destas nacoes.alex geo-pilitica separatista

Anônimo disse...

Olá.

Existem hoje muitos grupos agindo. Por que vcs não se unem em prol do objetivo final ao invés de criarem diversos grupos que lutam pelo mesmo ideal.

Aproveitem o momento em que o mundo vive e demonstrem a real capacidade de conseguirmos a indePendência.

O governo brasileiro não poderá se utilizar de força para nos calar.

As pessoas merecem ser libres e ninguém poderá ser punido por ter esse desejo. Essas foram as palavras do presidente dos EUA.

O momento é este, se unam com o movimento RS livre. Venham de mãos dadas pela República.

Eu acredito!!!!!!!

E vc?!

Erly Junior disse...

sou morador de Rio Grande/RS, e eu que achava que já tinha visto tudo! é cada maluco que aparece. vá fazer parte da república bolivariana chavista e deixa o brasil do jeito que tá. ok.

Anônimo disse...

Aos que referiram raça, cor, etc. Sugiro que leiam novamente o texto. Aqui está EXPLICITAMENTE escrito que esses NÃO são levados em consideração, portanto, o movimento se refere APENAS a uma questão de liberdade econômica e política. Eu, infelizmente, acredito que a única forma de melhorar nossa situação é criando a República Rio Grandense. O Brasil é um país viciado, onde as leis se aplicam de forma vantajosa (para a minoria interessada), um lugar onde o Collor volta a ser eleito para senador e onde o Sarney continua sendo o presidente do senado. É um assalto a mão armada o que pagamos de impostos diariamente. É surreal o fato de ser mais caro viver aqui do que nos EUA, por exemplo. O Brasil pertence a algumas famílias e não há como mudar isso nos dias de hoje, perdemos nosso tempo. Enquanto outras nações se insurgiam contra a situação nós trabalhávamos num regime escravocrata sem reclamar. Hoje, infelizmente, não há mais como fazer uma "revolução" (como fez a França, por exemplo). Apóio incondicionalmente a criação da RGS.

alex disse...

ainda fico imprecionado, com tanta ignorancia de certas pessoas , a história do brasil é uma verdadeira farsa,o tratado de 1825 previa a independencia dos pampas(rs,sc e pr), ea cisplatina só conseguiu por que o rei da inglaterra ameaçou a quem atacasse , seria um ataque a inglaterra.a republica bandeirante de são paulo proclamou sua independencia 10anos antes do brasil!!!a ilegalidade constitucional não tem valor perante a carta de declaração da onu cuja o brasil tambem assinou.se não o brasil deveria voltar aser de portugal como as demais colonias , ridiculo.alguns aproveitadores usam o nazismo como meios , mas o movimento data de 1812, eo nazi em 1939???gigantismo esta fora de moda, a historia mostra, com os antigos impérios, o ultimo foi em 90 a ex união soviética e sera com os outros gigantes, são varios povos , e neles existem sentimentos religiosos e históricos.

Anônimo disse...

No meu ponto de vista, somos livres para dirigirmos nossos destinos, se a maioria dos eleitores do Rio Grande do Sul independentemente de naturalidade, optar via plebiscito transparente e com ampla divulgação pró e contra a Separação do nosso Estado.Pela separação do RS, deve-se ser respeitado por todas as instâncias conforme preceitos da ONU e em respeito a decisão dos envolvidos, se por outro lado prevalescer a continuação a do RS em pertencer a República Federativa do Brasil, devemos também acatar. O que na minha opinião é uma arbitrariedade é o Governo Federal sufocar o Movimento, não dando chance da população tomar maiores conhecimentos para discernir sobre este assundo de suma relevância para a população do RS.

Anônimo disse...

acho interessante a ideia de separaçao do Rio Grande, acho que merecem seguir seu destino como o quiserem e penso mais,seria muito bom se houvessem outras republicas neste pais, quanto a indivisibilidade que a carta magna prega... a gente faz outra e pronto sempre foi assim, é so ter um interesse maior, que venham as republicas, do norte do centro e outras.