segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

FOCO 55: CABINDA: ENTRE CONGO E ANGOLA: PARTE DE ANGOLA.

MAPAS DE CABINDA: LOCALIZAÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO
JÁ OUVIU FALAR DE CABINDA ? FOI LÁ QUE ACONJTECEU UM ATAQUE TERROTISTA CONTRA A SELEÇÃO DE FUTEBOL DO TOGO, EM JANEIRO PASSADO, QUE USOU O LOCAL PARA SE DESLOCAR EM DIREÇÃO A ANGOLA, ONDE OCORREU A COPA AFRICANA DE NAÇÕES. VÍTIMAS INOCENTES,... VIOLÊNCIA....

POR QUE? O QUE ELES QUEREM ?

LEIA O QUE ENCONTREI SOBRE O TEMA....

Cabinda é uma das 18 províncias da República de Angola, sendo um EXCLAVE limitado ao norte pela República do Congo, a leste e ao sul pela República Democrática do Congo e pelo Oceano Atlântico. A capital da província de Cabinda é a cidade de Cabinda, conhecida também com o nome de Tchiowa. Tem uma superfície de 7 283 km² e cerca de 265 000 habitantes. Os habitantes de Cabinda são conhecidos como Cabindas ou ainda por "fiotes". O dialeto falado é o Ibinda.
Cabinda, conhecida no passado como Congo Português, foi a parcela do antigo Reino do Congo atribuída a Portugal, por ocasião da Conferência de Berlim (1885), quando simultaneamente nasceram o Congo Belga (ex-Zaire e actual República Democrática do Congo) e o Congo Francês (ex-Congo Brazzaville e actual República do Congo). Na realidade, Cabinda originalmente era unida territorialmente a Angola, mas a Bélgica reivindicou uma saída para o Atlântico para o seu Congo Belga, o que foi concedido por Portugal através de um acordo, selando definitivamente a separação de Cabinda do restante de Angola.
Nas vésperas da referida Conferência, os príncipes e os notáveis de Cabinda assinaram o
Tratado de Simulambuco com Portugal, pelo qual o território de Cabinda passou a ser protectorado luso.
Em 1974, após a
Revolução do 25 de Abril em Portugal, interesses políticos levaram Cabinda a continuar integrada a Angola, com a qual não tem fronteiras comuns. Imediatamente após a independência angolana, a 11 de Novembro de 1975, a Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC), reclamando o direito à independência do território devido às diferenças culturais e económicas e por historicamente não fazer parte do território de Angola, empreendeu luta de guerrilha visando a libertação.
História recente
Em
1 de Agosto de 2006, foi assinado um "Memorando de Entendimento para a Paz e a Reconciliação da Província de Cabinda", entre o Governo de Angola e o Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD). As delegações da negociação eram chefiadas da parte da República de Angola por Virgílio Fontes Pereira, ministro da Administração do território angolano e da parte das populações de Cabinda por General Doutor António Bento Bembe, ex. presidente da FLEC-Renovada ora FLEC-PLataforma, que por imperativos da fusão entre a sua organização política-militar com a FLEC-Fac (do Miguel Estanislau Boma), passou a ocupar os cargos de Secretário-geral, vice-presidente da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) e Presidente do Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD) em representação das populações de Cabinda.
Desde a mencionada data, os efectivos da FLEC e das Demais Organizações sob autoridade do Fórum Cabindês para o Diálogo (FCD) foram aquartelados e a
6 de Janeiro de 2007, numa cerimónia de mais alto nível realizada em Cabinda, alguns dos elementos das ex. militares da FLEC foram integrados e incorporados nas Forças Armadas Angolanas (FAA) e na Polícia Nacional. Dois dias depois todos aqueles elementos da FLEC e das demais organizações sob autoridade do Fórum que optaram pela vida activa começaram a sua formação académica conforme previsto nas cláusulas do acordo, no sentido de poderem desempenhar melhor os seus cargos e responsabilidades nacionais.
"Memorando de Entendimento para Paz e Reconciliação em Cabinda" inclui também o "Estatuto Especial para Cabinda".
Não obstante, a população de Cabinda que a princípio via o acordo como uma passo adiante no sentido de desenvolver a região, tem sentido que de prático o governo central e os ex-guerrilheiros agora no governo pouco tem contribuido, visto que apesar de responder por 80% da produção de petróleo do país, tais recursos escoam pelos ralos da corrupção e burocracia de Luanda e o desenvolvimento de Cabinda ainda é um sonho distante.
Bento Bembe é agora ministro sem pasta do governo central e tem propagado aos quatro cantos que não há guerra em Cabinda. De fato, a Flec - agora Frente de Libertação do Estado de Cabinda, com a liderança no exílio de Comandante Antonio Luis Lopes, tem pouco poder de combate depois da deserção e adesismo, mas mantem ataques contra forças do governo nas selvas e também contra instalações de empresas transnacionais terceirizadas a serviço de Luanda. É uma questão que tão cedo não terá fim dada a dependência de Angola do petróleo de Cabinda e também porque sem apoio externo dificilmente a guerrilha logrará êxito total. Para mostrar normalidade Cabinda foi escolhida como uma das sub-sedes da
Copa Africana de Nações de 2010. Mas, no período anterior, o FLEC disparou contra o autocarro que fazia o transporte da seleção do Togo, matando o motorista e ferindo dois jogadores.
Economia
O
petróleo extraído em Cabinda representa cerca de 70% do crude exportado por Angola, e corresponde a mais de 80% das exportações angolanas. Cabinda tornou-se assim o palco de múltiplos interesses internacionais, e, consequentemente, território que tem sido alvo de constantes violações dos Direitos Humanos.

2 comentários:

Jeiceane disse...

olá professor!
eu sou estudante e História e Geografia são uma das minha matérias preferidas. hoje é muito difícil encontrar matérias como a de Cabinda, não pela acessibilidade, mas pela falta de ênfase para assuntos políticos e sociais. isso por que as pessoas são individualistas e gostam de fingir que está tudo bem.
o texto postado vai servir de fonte para meu trabalho de Sociologia, é informativo e com dados co-relacionados.
um abraço

Karina disse...

Oi professor! Estudo Relações Internacionais em Vila Velha e confesso que suas análises foram as que mais me ajudaram em todas as pesquisas que precisei.
São sucintas e maravilhosas!
MEUS PARABÉNS!